Fórum Euclides 113 receberá o Prof. José Carlos Barreto Santana para bate-papo euclidiano

No próximo dia 30-06-22, quinta-feira, às 19h, o Fórum_Euclides 113 terá a honra de receber para mais um bate-papo euclidiano o Prof. José Carlos Barreto de Santana, da Universidade Estadual de Feira de Santana-BA. José Carlos abordará o tema: “Euclides da Cunha e Teodoro Sampaio: diálogos”, analisando a amizade e a troca de experiências entre dois dos maiores engenheiros da época. Para participar da roda de conversa, basta fazer a pré-inscrição em:

https://forms.gle/LA5qmuN16PhMjNmW9

O evento será certificado pela UFRJ e terá transmissão on-line pelas redes sociais do projeto Fórum_Euclides (pelo YouTube e pelo Facebook).

Antônio Conselheiro: profeta ou não?

José Huguenin

Em “Os sertões”, Euclydes da Cunha, sustentado por relatos orais, profecias apocalípticas atribuídas ao Conselheiro, além de poemas populares da época, apresentou o líder religioso com um forte viés messiânico e sebastianista. Apontou-o como um fanático religioso.

Ao fim da Guerra de Canudos em 1897, enquanto o exército derrubava cada uma das cercas de cinco mil moradias sertanejas, um militar do 25o  Batalhão de Infantaria encontrou no Santuário (local onde habitava o Conselheiro)  Manuscritos do líder de Canudos, escritos de próprio punho, contendo os hoje conhecidos “Sermões de Conselheiro”.  Esse material foi publicado pela Editora da UFBA, no livro    Breviário de Antonio Conselheiro, organizado por Walnice Nogueira  Galvão e  Fernando da Rocha Peres, contendo fragmentos e discussões sobre estes escritos. A íntegra do texto pode ser obtida junto ao Centro de Estudos Baianos da UFBA.  Vale destacar que Euclydes não teve acesso a estes manuscritos.

O saudoso e grande estudioso da obra Euclidiana, Roberto Ventura, em seu artigo Canudos como cidade iletrada: Euclides da Cunha na urbs monstruosa , faz um importante contraponto entre a visão de Euclydes   sobre o Conselheiro, apresentada em “Os sertões”, e a visão que se tem a partir de seus escritos, que mostram um religioso diferente do fanático místico ou do profeta iletrado. Ao contrário, revelam um sertanejo lucido, letrado, capaz de exprimir-se. O artigo de Ventura é uma excelente leitura!

Sobre o caráter profético/messiânico do Conselheiro, o historiador, professor da UNB Vicente Dobroruka, por ocasião do centenário da Guerra de Canudos em 1997, escreveu o artigo Antonio Conselheiro, profeta do sertão?  onde confronta visões sobre o Conselheiro de diferentes autores. Ele constata que autores de épocas mais próximas à guerra deram uma característica mística para o sertanejo, inclusive e, talvez, a partir de Euclydes da Cunha, enquanto autores mais recentes, que tiveram acesso aos manuscritos de Antônio Conselheiro, o apresentam como um pregador católico tradicional, sem os traços fanáticos e proféticos.
O texto e as imagens do Conselheiro morto, cabeludo e barbudo, com camisolão, talvez tenham fortalecido a ideia de louco. Os manuscritos do líder sertanejo mostram outro viés. Será que coexistiram essas duas visões? O tema é muito instigante e o(a) leitor(a) encontra na literatura especializada excelentes trabalhos sobre isso.

Antônio conselheiro era ou não profeta?

A Casa de Euclides da Cunha não pode permanecer fechada

A  Casa de Euclides da Cunha,  criada em 1965 pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro, até a presente data é o único aparelho cultural do Estado do Rio na região em Cantagalo e todo centro-norte fluminense. Ela abriga um acervo cultural  inestimável, entre livros e obras raras,  e guarda também o cérebro do imortal escritor cantagalense, Euclydes da Cunha. Sem falar do espaço que  abriga importantes projetos, como o Ponto de Cultura “Os Serões do Seu Euclides”, e pode receber diversos outros projetos e eventos culturais. 

Ao longo da história, houve períodos em que a Casa ficou fechada, por diferentes motivos, não raro pela falta de entendimento entre a FUNARJ, órgão estadual responsável pelo museu, e o poder público municipal. Se podemos dizer que a pandemia da COVID-19 afeta de certo modo sua reabertura, não podemos atribuir à mesma seu último fechamento, ocorrido há cerca de 10 anos. 

A Casa de Euclides da Cunha é de extrema importância para a cultura nacional, pois guarda a história de um dos grandes ícones da intelectualidade a da arte literária do país em seu berço natal. 

O acervo corre riscos de deterioração. 

O aparelho cultural não presta os serviços para o qual foi criado e destinado, de maneira que cerceia a sociedade de Cantagalo e região de um mais profícuo desenvolvimento cultural e educacional, prejudica o turismo e põe em risco o patrimônio público.

Há mais de um ano, em 27 de janeiro de 2021,  a FUNARJ se manifestou no Jornal da Região de Cantagalo, divulgando providências para a reabertura do museu. Na semana 06 de fevereiro de 2022, mais de um ano depois, uma equipe foi enviada pela FUNARJ para fazer alguns reparos, o que nos dá esperanças de que a Casa, enfim, possa ser reaberta. Porém, sabemos que é preciso mais do que os necessários reparos para que ela volte a receber público e eventos. 

Entendemos que há muitas dificuldades envolvidas, mas acreditamos que cidadãs e cidadãos comprometidos com a cultura nacional podem e devem chegar a um bom termo para que a Casa continue, depois de dez anos parada, a cumprir sua missão republicana de difusão de cultura e educação.  

Sendo assim, os diferentes coletivos euclidianos de Cantagalo – professores, estudiosos e simpatizantes da obra euclidiana e a sociedade cantagalense em geral – exortam as autoridades estaduais responsáveis pela Casa de Euclides da Cunha pela sua reabertura e também conclama as autoridades municipais a buscarem formas de apoiar a reabertura e a manutenção do funcionamento deste importante aparelho cultural. 

A  Casa de Euclides da Cunha não pode continuar fechada. 

Morre o professor Márcio Láuria

Foi uma triste notícia para o euclidianismo o falecimento do professor Márcio José Lauria em 08 de fevereiro de 2022, aos 89 anos de idade.

O Prof. Lauria foi muito atuante na difusão da obra de Euclydes da Cunha, participando ativamente das Semanas Euclidianas em São José do Rio Pardo-SP. Escreveu vários artigos e cativou a admiração e o carinho de todos ao seu redor.

Chamado de artesão da palavra, deixou-nos um compêndio de crônicas e artigos no livro “Tratador de palavras”. Estes textos foram publicados de 1998 a 2003 no jornal “O Democrata”, para onde escrevia.

Uma grande perda para o país, pelo grande incentivador e promotor da cultura que era, e para o euclidianismo, em especial, por tanto que contribuiu.

Notas biográficas de Euclides da Cunha

Por   Luís Otávio Rocha*

Euclides Rodrigues Pimenta da Cunha nasceu em 20 de janeiro do ano de 1866 na Fazenda Saudade, localizada no arraial de Santa Rita do Rio Negro (hoje chamada de Euclidelândia em homenagem ao autor), um dos cinco distritos do munícipio de Cantagalo, no interior do estado do Rio de Janeiro. Era filho de Manuel Rodrigues Pimenta da Cunha e Eudóxia Moreira da Cunha, seu pai era poeta e trabalhava como guarda-livros nas fazendas de café; sua mãe foi vítima de uma tuberculose e veio a falecer e deixar órfão de mãe o pequeno Euclides de apenas três anos de idade.

Após perder sua mãe, Euclides e sua irmã mais nova, Adélia, são mandados para Teresópolis para ficarem aos cuidados dos tios Rosinda Gouveia e Urbano Coelho de Gouveia. Sua tia Rosinda morre em 1871, sendo assim, Euclides e Adélia vão morar em São Fidélis com sua tia Laura Moreira Garcez, que era casada com o Coronel Magalhães Garcez. Em São Fidélis o menino estudou no Colégio Caldeira, do pedagogo português Francisco José Caldeira; nos dias atuais, o Colégio Caldeira se chama Colégio Fidelense. Em 1877, Euclides deixa a casa dos tios e muda-se para a casa de seus avós paternos, em Salvador. Em território baiano, frequentou o Colégio Carneiro Ribeiro. Ademais, retornou ao Rio de Janeiro quando tinha 13 anos e estudou em quatro colégios: Colégio Anglo-Americano; Colégio Vitório da Costa; Colégio Meneses Vieira e Colégio Aquino.

Foi no Colégio Aquino que Euclides conheceu Benjamin Constant, que foi seu professor, e foi influenciado por este com ideias positivistas e republicanas. Ainda no Colégio Aquino, o jovem Euclides publica seu primeiro artigo em um jornal, O Democrata, que foi fundado por ele e outros colegas. No ano de 1885, em seus 19 anos, matriculou-se na Escola Politécnica do Rio de Janeiro para cursar Engenharia, porém, por se tratar de uma escola cara, não teve como custear seus estudos, o que o levou a se transferir para a Escola Militar da Praia Vermelha que era gratuita, onde se reencontrou com Benjamin Constant. Foi na Escola Militar que ocorreu o incidente em que Euclides tentou quebrar seu sabre-baioneta durante a visita do Ministro da Guerra, Conselheiro Tomás Coelho, como uma forma de protesto. Não tendo conseguindo partir o sabre-baioneta ao meio, atirou o sabre aos pés do ministro, o que ficou conhecido como: o episódio do sabre. Euclides, então cadete na época, foi levado à prisão e depois transferido para o Hospital Militar do Castelo; quando esteve diante dos juízes não teve medo e reafirmou seus ideais republicanos, fazendo com que fosse encarcerado novamente, dessa vez na Fortaleza de São João, onde ficou aguardando a decisão do de guerra, decisão essa que nunca chegou. Por fim, D. Pedro II perdoou o cadete, mas cancelou sua matrícula na Escola Militar, sendo assim, Euclides foi para São Paulo e começou a colaborar com o jornal A Província de São Paulo (que depois se tornou O Estado de São Paulo).

Após a proclamação da República em 15 de novembro de 1889, Euclides foi reintegrado na Escola Militar da Praia Vermelha e foi promovido a alferes-aluno. No ano de 1890 se matriculou na Escola Superior de Guerra para se tornar bacharel em matemática, ciências físicas e naturais e concluiu seu Curso de Artilharia, também continuou publicando seus artigos em jornais, dessa vez no jornal republicano Democracia. Nesse mesmo ano se casou com Anna Emília Ribeiro, com quem teve seus três filhos. Nesse período, Euclides se mostrava descontente com os republicanos, inclusive Benjamin Constant, e decide se afastar do jornal e das demais coisas. Seu desencanto com a República foi tanto que o levou a abandonar a carreira militar em 1896 e exercer a função de engenheiro na Superintendência de Obras Públicas do Estado de São Paulo.

No ano de 1897, após os jornais noticiarem as mortes do Coronel Moreira César e de mil e quinhentos soldados do exército em Canudos, no sertão baiano, Euclides se preocupa com o episódio e escreve dois artigos para O Estado de São Paulo nos quais compara os revoltosos de canudos aos revoltosos de Vendeia. A comparação se deu por se acreditar na época que o povo guiado por Antônio Conselheiro era composto por fanáticos que queriam restaurar a monarquia, por isso a comparação com os revoltosos de Vendeia que lutaram contra a Revolução Francesa e a favor da Igreja Católica e da Monarquia. Esses dois artigos fizeram com que Euclides da Cunha fosse convidado pelo diretor do O Estado de São Paulo para que cobrisse os embates entre o povo canudense e o exército. Portanto, partiu para Canudos com suas ideias pré-estabelecidas sobre o povo e seus objetivos, buscava cobrir um confronto entre fanáticos monarquistas e o exército brasileiro que lutava pela República. Foi nesse contexto que teve início um dos maiores livros da literatura brasileira, o grandioso: Os Sertões.

Chegando em Canudos em 16 de setembro de 1897, presenciou a guerra e encontrou algo bem diferente do que imaginava, viu uma luta covarde e desigual; viu a força dos sertanejos; viu a covardia que foi feita contra todo um povo; viu, também, que Antônio Conselheiro, apesar de ser monarquista, era assim pelo seu fanatismo religioso. Depois de presenciar o massacre e extermínio do povo canudense, Euclides se vê completamente abalado com o ocorrido e decide que irá escrever um livro para vingar todas as vítimas da Guerra de Canudos. Os jornais publicaram diversos artigos das anotações de Euclides sobre Canudos, mas o grosso de suas anotações seria colocado n’Os Sertões. No ano de 1898, se mudou com sua família para São José do Rio Pardo, no interior de São Paulo, para supervisionar a reconstrução da ponte metálica que havia ruido em menos de dois meses após inaugurada. Foi nessa cidade que Euclides escreveu a maior parte de seu Magnum opus, mais especificamente, dentro de sua pequena cabana de sarrafos e zinco, que servia como seu escritório.

Em 1902 as primeiras impressões d’Os Sertões foram impressas pela editora Laemmert, edições que se esgotaram em apenas dois meses devido ao grande sucesso da obra. Posteriormente, Euclides recebeu a honraria de se tornar um imortal da Academia Brasileira de Letras em setembro de 1903, no mesmo ano em que assumiu no Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. Em 1904 é indicado para ser membro da Comissão de Reconhecimento do Alto Purus e vai para o estado do Amazonas em dezembro do mesmo ano. Ademais, no ano de 1909, Euclides prestou o concurso para a cátedra de Lógica do Colégio Pedro II e ficou em segundo lugar, atrás do filósofo Farias Brito, porém, a lei da época dizia que o Presidente da República escolheria quem assumiria a cátedra entre os dois primeiros colocados, sendo assim, Euclides foi nomeado professor. Lecionou por menos de um mês, teve sua carreira (e vida) interrompidas por um assassinato. Euclides, no dia 15 de agosto de 1909, decidiu se vingar de Dilermando de Assis, amante de sua esposa, com quem ela tinha ido morar no dia anterior com os filhos, e matá-lo. Foi até a casa do cadete da Escola Militar e atirou contra ele, porém, Dilermando conseguiu reagir e acertou dois tiros em Euclides, matando-o. O episódio ficou conhecido como A Tragédia da Piedade (por causa do bairro onde tudo ocorreu) e foi noticiada por todos os jornais. O corpo de Euclides foi velado na ABL, no lugar que sempre vai estar, lá onde vivem para sempre os imortais.

*  Luís Otávio Rocha é de Cantagalo – RJ e atualmente faz graduação em Letras,

Língua Portuguesa-Literatura na Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Referências bibliográficas

Euclides da Cunha: Esboço biográfico – Roberto Ventura

Euclides da Cunha: uma odisseia nos trópicos – Frederic Amory

Era uma vez Euclydes (para jovens leitores) – Fabiana Corrêa

De Olho em Euclides da Cunha – Lúcia Garcia

Euclydes da Cunha E A Nação Brasileira: Por Ocasião Dos Cem Anos Da Morte Do Escritor – Euclides Penedo Borges

Euclides da Cunha: Militante da República – Walnice Nogueira Falcão

Euclides da Cunha: uma biografia – Luís Cláudio Villafañe G. Santos

Manifesto de lançamento

Esse espaço nasceu da união de várias pessoas que têm como objetivo comum divulgar a vida e obra do ícone cantagalense Euclydes da Cunha, o grande autor de “Os sertões”. A obra de Euclydes desbravou a literatura brasileira fazendo das letras arma contra injustiças, lentes que permitiram emergir o Brasil profundo para o conhecimento de  todos. Essa escrita vai influenciar  intelectuais do mundo todo, vai criar linhas de pesquisa no Brasil e fora dele, vai inspirar artistas, escritores no mundo todo. Tal obra precisa ser conhecida e  divulgada de forma a gerar reflexões que ela possa ensejar na contemporaneidade, acolhendo todas as suas contradições e datamentos.

A obra de Euclydes da Cunha está disponível a todos leitores de  língua portuguesa pois são de domínio público, e constitui objetivo primeiro desse espaço levar a obra euclidiana a todos os lugares, inclusive na sala de aula, aproximando professores do universo euclidiano. Para tanto, será imprescindível uma parceria contínua com a rede de ensino pública e privada e com a sociedade de modo geral, de forma a criarem-se pontes entre a obra e a vida das pessoas.

Conhecer tal obra implica também conhecer o que se produz sobre ela e também a arte que ela inspirou e continua a inspirar. Conhecer mais sobre Euclydes pressupõe ver o que se produz sobre ele. Eis aqui outro objetivo: estudar e  difundir a produção acadêmica e artística sobre Euclydes da Cunha e sua obra sob todos os aspectos e pontos de vista. Nesse ponto, a parceria contínua com universidades públicas e privadas será muito importante, seja na continuidade de projetos consolidados, seja na criação de novas ações.

Cantagalo ao longo da história sempre mostrou grande reverência ao seu filho mais ilustre, promoveu eventos como as Semanas Euclidianas organizadas pela poeta e professora Amélia Thomás,  eventos organizados pelo Grêmio Literário, Artístico e Recreativo Euclydes da Cunha. Atualmente há coletivos euclidianos como o Grêmio Euclidiano de Atividades Culturais e a Juventude Euclidiana, há o projeto Fórum Euclides, desenvolvido na UFRJ, temos o ponto de cultura Os serões do seu Euclides, o projeto dos Escritos Euclidianos, entre outras ações específicas. Como vê-se, temos diferentes frentes, cada qual com a sua forma autônoma e independente de atuação, todos envolvidos em torno da obra de Euclydes da Cunha, unidos por este espaço.   Fazer o registro de ações e eventos, divulgar e incentivar a participação da sociedade, contribuir para criação de uma agenda euclidiana no Município de Cantagalo é também objetivo desse espaço.

O Município de Cantagalo tem uma cultura riquíssima em várias frentes. É também objetivo deste espaço difundir essas manifestações culturais, divulgar a arte e os artistas de Cantagalo, criando esse ponto de encontro que permita também discutir a Cultura pela sociedade, propor ações, participar de iniciativas, cobrar ações que fortaleçam os projetos euclidianos em Cantagalo e contribua na produção cultural da terra de Euclydes da Cunha.

Esse espaço também terá papel na luta pelo permanente funcionamento da Casa de Euclides da Cunha, importante aparato cultural de toda a região, que sazonalmente sofre interrupções em seu funcionamento, sendo o atual fechamento de mais de 6 anos . Buscando sempre contribuir, lutaremos cobrando das autoridades competentes para que a casa funcione ininterruptamente, seja atualizada e seja cada vez mais integrada à sociedade. Além disso, o espaço abrigará, enquanto coletivo social, lutas e ações que visem ao desenvolvimento da cultura no município.

O que é, então,  o Movimento Euclidiano de Cantagalo? É um espaço de encontro, plural, que reúne interessados na obra euclidiana de Cantagalo e de outras cidades, que atuam isoladamente ou organizados em coletivos euclidianos do município ou projetos de outras partes do país, interessados na vida e obra de Euclydes e na cultura cantagalense. Não é um grupo. É um espaço de encontro aberto a todos que desejarem engrossar as fileiras do euclidianismo e da cultura do município. Cantagalenses em qualquer canto do planeta  estão convocados a participarem destas ações para que os objetivos colocados neste manifesto sejam alcançados.  O que move o esse movimento? A obra euclidiana. Essa obra  inquietante, atual, que nos deixa  o seguinte chamado:

Estamos condenados à civilização. Ou progredimos, ou desaparecemos

Euclydes da Cunha em “Os sertões”

Avancemos.

Saudações  euclidianas.